Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Palavras são armas

“a luta de classes é a mãe de todas as lutas”

Palavras são armas

“a luta de classes é a mãe de todas as lutas”

Contracorrente: ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS por Fernando del Pino Calvo-Sotelo

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

Escola do Calor

A bisavó inglesa de minha esposa era uma senhora elegante e espartana, e quando suas filhas se queixavam da temperatura, ela respondia sem medo: "Meninas, meninas, faz frio no Inverno e faz calor no Verão".

Pois bem, quando os propagandistas das alterações climáticas aproveitam  uma simples onda de calor para repetir as suas cansativas ladainhas catastróficas sobre o apocalipse que nunca chega, quero repetir para elas: “Meninas, meninas, no inverno faz frio e no verão faz calor". De facto, o que experimentamos é uma onda de calor no Verão, pois houve tantas e continuará a haver outras tantas. Você  lembra-se do tórrido mês de Agosto de 2003? Por isso. A diferença é que naqueles dias mais felizes Al Gore ainda não havia filmado o seu documentário «Uma Mentira Conveniente»  (ou seria ao contrário?) e o alteracionismo climático ainda não se tinha convertido numa religião global de obrigatórias crenças, impostas pela nova ordem aos seus obedientes  meios de comunicação.

Uma onda de calor normal e corrente

Considera-se que existe uma onda de calor quando mais de 10% das estações da AEMET [1]registam temperaturas máximas acima do percentil 95 da série histórica de temperaturas, durante mais de três dias consecutivos. Desde 1975 ocorreram cerca de 70 ondas de calor no verão na Espanha, fenômenos normais e recorrentes. Na tabela a seguir podemos ver as temperaturas máximas registradas nas estações afetadas pelas diferentes ondas de calor na Espanha desde 1975 de acordo com a AEMET

[1] Agência Espanhola de Meteorologia

sotelo1.JPG

Para que se possa ver como esses fenômenos meteorológicos são locais e não têm nada a ver com as mudanças climáticas, na tabela a seguir você pode ver a mesma tabela, mas correspondente às Ilhas Canárias, um território espanhol localizado em latitudes muito mais baixas que as peninsulares mas pertencendo, tanto quanto sei, ao mesmo planeta sujeito ao mesmo clima planetário. Como se pode ver, a série não tem nada a ver com isso: nos anos em que houve onda de calor na Península, não houve nas Ilhas Canárias (e vice-versa) e em nenhum caso foi observada qualquer tendência preocupante.

sotelo2.JPG

Os eventos  meteorológicos não são o clima

Deve-se reiterar que os fenômenos meteorológicos locais nunca podem ser sintomas de qualquer variação climática, pois a unidade de tempo de medição do clima é o século, ou melhor, o milênio, e porque os fenômenos locais, como o próprio nome sugere, são locais e podem ocorrer simultaneamente fenômenos de natureza completamente oposta em outras regiões do mundo. Assim, durante este mês de maio, algumas das temperaturas mais baixas da história foram registradas no noroeste dos Estados Unidos[1] e na Colúmbia Britânica[2] (oeste do Canadá), e enquanto na Espanha estávamos torrando na semana passada, na Austrália, o inverno do sul registou as temperaturas mais baixas dos últimos 70 anos[3]. resfriamento global? Não, simplesmente o clima.O mantra das alterações climáticas aproveita fenômenos meteorológicos naturais associados ao calor para vinculá-los ao aquecimento global. Por exemplo, agora que a temporada de furacões e incêndios florestais está se aproximando, a equipe de mídia do verão repetirá as manchetes de todos os anos como no Dia da Marmota. Quem manda sabe que a história é completamente falsa, pura propaganda, mas a mentira já é parte intrínseca de um movimento que não é sobre ciência, mas sobre ideologia, poder e dinheiro. A realidade é que os furacões vêm diminuindo em número e intensidade desde pelo menos 1990[4] e que a área total queimada por incêndios globalmente diminuiu 25% nas últimas duas décadas[5]. Mesmo o IPCC da ONU, algo como o Vaticano da religião climática, foi forçado a reconhecer que "não há uma tendência significativa na frequência de furacões no século passado (...), ainda não há evidências sobre o sinal da tendência na magnitude e frequência das inundações em nível global (...) e atualmente não há evidências suficientes sobre a tendência observada nas secas em nível global desde meados do s. XX” (IPCC, AR5, GT I, capítulo 2.6, p. 214-217). Os mesmos que vinculam qualquer elemento que tenha a ver com calor às mudanças climáticas silenciam qualquer relação com o clima quando se trata de frio. Assim, a imprensa local canadiana, norte-americana ou australiana não alertou para um "esfriamento global" devido às referidas ondas de frio, nem a imprensa espanhola com o frio invulgar de maio de 2013 (o mais frio desde 1985), ou com Filomena, há um ano e meio, ou em março último, o mais nublado dos últimos 39 anos, o sexto mais chuvoso desde 1961 e o oitavo mais frio do século, segundo a AEMET[6].Os maios de comunicação também não divulgaram grandemente que em 2021 a Antártida experimentou os seis meses mais frios já registados[7]. Provavelmente, os xamãs do clima temiam que a população percebesse que a "ameaça" do derretimento do gelo da Antártida e a consequente elevação do nível do mar era uma grande história para nos assustar. E viva. Na realiadde, a Antártida arrefeceu um pouco desde 1979, o que pode explicar por que, de acordo com um estudo da NASA, está ganhando gelo, não perdendo[8] . Dado que a Antártida tem um volume de gelo 1.250 vezes maior que o do Ártico, não é com o gelo do Ártico que devemos nos preocupar, mas com a Antártida. De fato, como o gelo do Ártico flutua e já ocupa um volume, o seu derretimento não aumentaria o nível do mar, como Arquimedes descobriu antes do nascimento do jornalismo. Para maior tranquilidade, saiba que a superfície do Ártico está invertendo sua tendência anterior e vem crescendo há vários anos, na medida em que 2021 marcou o segundo ano com mais gelo desde 2003[9]. Aposto que não viu isso num qualquer meio de comunicação social.

Medindo o aquecimento global

Existe aquecimento global nas últimas décadas? Sim, um pouco, mas ao contrário do slogan repetido ad nauseam, não há "consenso científico" (um oxímoro) sobre sua causa, mas imposição e censura totalitária, negando o debate, fechando o acesso a publicações especializadas a cientistas que não compartilham o slogan oficial e negando-lhes financiamento para suas pesquisas. O fanatismo dos xamãs do clima é proporcional aos enormes interesses políticos e econômicos criados. A realidade é que ainda não somos capazes de saber como funciona um sistema complexo, não linear e caótico como o clima, onde uma multiplicidade de fatores intervém com feedbacks de diferentes signos, como os oceanos, as nuvens, a rotação de a Terra, a atividade solar, o vapor de água (causando a grande maioria do efeito estufa) e outros gases menores, como CO2, etc. Se não podemos prever o tempo daqui a uma semana, como seremos capazes de prever o tempo daqui a um século?Desde que temos satélites medindo a temperatura global, o nosso planeta sofreu um leve aquecimento de 0,14°C por década, e nos últimos 20 anos quase não houve aquecimento, como mostra o gráfico a seguir feito com dados dos satélites NOAA pelo poço conhecido especialista Dr. Roy Spencer[10]:

Capturarsotero4.JPG

Estes dados são confirmados por um estudo recente, resultante de medições de balões meteorológicos aerostáticos[1]. Desde 1998, apenas tem havido aquecimento tanto no hemisferio Norte como nos trópicos.

sotero5.JPG

A cultura do medo

Por trás da sua aparência filantrópica, a religião das mudanças climáticas esconde um ódio ao ser humano, considerado um vírus nocivo à Mãe Terra, e uma ambição de dominação totalitária e poder focado no combate ao vírus, ou seja, na redução da população mundial. Mas, sobretudo, está englobado na cultura opressiva e desesperada do medo[1] em que estamos imersos no Ocidente, em que os detentores do poder mantêm a população em constante estado de medo, apontando para o que deve temer (um perigo exagerado ou inventado) e propondo-se como salvadores, prometendo-nos segurança em troca da nossa liberdade.A seita das alterações climáticas usa o medo da morte sob a ameaça de um Apocalipse que, como Godot, é sempre adiado e nunca chega. Nos países desenvolvidos, os seus xamãs oferecem-se para nos salvar, se concordarmos em nos empobrecer com o aumento louco das fontes de energia. Aos países pobres, que não podem dar-se ao luxo dos ricos, que são energias "renováveis", são oferecidos subsídios que serão concedidos, ou não, dependendo fundamentalmente de sejam capazes de controlarem o seu crescimento demográfico (o cerne da questão), condenando-os a uma dependência crónica.Os efeitos perniciosos da religião climática já começam a estar à vista. A causa estrutural do aumento do custo da eletricidade e da gasolina, além da situação de guerra e das sanções autoinfligidas do Ocidente, é a perseguição irracional aos combustíveis fósseis (baratos, eficientes e confiáveis) aos quais a Humanidade tanto deve, e a imposição de energias caras, intermitentes e ineficientes que beneficiam poucos e prejudicam a maioria. Assim, o problema das futuras ondas de calor não serão as temperaturas atingidas, mas sim que não teremos dinheiro para ligar o ar condicionado. A verdadeira ameaça não é o clima, mas a perda de liberdade e pobreza. 

Fernando del Pino Calvo-Sotelo

(Tradução de Guilherme Fonseca-Statter)

21 de junio de 2022

 

 (original: fpcs)

[1] La Cultura del Miedo, de Frank Furedi, Ed. Rialp 2022

[1] The New Radiosounding HARMonization (RHARM) Data Set of Homogenized Radiosounding Temperature, Humidity, and Wind Profiles With Uncertainties (wiley.com)

 

(original: fpcs)

[1] Seattle's spring continues with coldest May 12 on record - MyNorthwest.com

[2] Thursday was the coldest May 12 on record in Vancouver area - North Shore News (nsnews.com)

[3] Coldest start to winter in decades for eastern Australia with power grid under strain | Australia news | The Guardian

[4] Trends in Global Tropical Cyclone Activity: 1990–2021 - Klotzbach - 2022 - Geophysical Research Letters - Wiley Online Library

[5] A human-driven decline in global burned area (science.org)

[6] España registra su marzo menos soleado - Agencia Estatal de Meteorología - AEMET. Gobierno de España

[7] Antarctica's last 6 months were the coldest on record - CNN

[8] NASA Study: Mass Gains of Antarctic Ice Sheet Greater than Losses | NASA

[9] Arctic Sea Ice Extent Second Highest in 18 Years at the end of 2021, Now Close to 13 million square kilometers, while the Hudson Bay Finally Froze in the Last 2 weeks (severe-weather.eu)

[10] Latest Global Temps « Roy Spencer, PhD (drroyspencer.com)

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub